quinta-feira, 30 de maio de 2013

greve no metro

As greves são feitas quando os trabalhadores estão descontentes com alguma coisa, quando lutam por melhores condições de trabalho ou quando lutam por direitos já adquiridos.
Em 2013, nós lutamos todos para não perdemos direitos já adquiridos, direitos que o governo nos quer retirar apenas com um objetivo - poupar dinheiro, para pagarmos a m... da dívida. Uma dívida que foi feita por anteriores governos, dinheiro que foi mal gerido pelos nossos governantes e nós os trabalhadores é que temos de pagar. Peçam satisfações aos anteriores governos, investiguem para onde foi o dinheiro, onde foi utilizado e por quem. Ninguém fala nisso, ninguém investiga ninguém.
E as notícias que são transmitidas, acerca das greves, são muito pouco profissionais, pouco imparciais, é uma tristeza. Mas alguém ainda tem dúvida que a comunicação social só transmite o que o governo quer. Por exemplo: hoje foi greve do metro, não houve metro o dia todo. E as únicas notícias que os nossos canais televisivos transmitem são pessoas descontentes, porque querem ir trabalhar e não conseguem, porque o metro fechou. Apetece gritar e dizer: "ACORDEM, que mentalidade retrógada."
Depois temos as pessoas que no seu local de trabalho passam a vida a queixar-se: "porque trabalhamos cada vez mais e recebemos cada vez menos, bla, bla, bla..." as queixas do costume, mas quando falamos em luta, falamos em como podemos defender os nossos direitos, o que podemos fazer para defender o nosso país e os direitos conquistados por gerações anteriores, calam-se. Não sabem como argumentar.

O país está de pernas para o ar. Ainda têm dúvidas que somos todos nós (juntos) que podemos fazer alguma coisa. Vejam o exemplo da Islândia. Vejam este vídeo.

Boa noite.

Sem comentários: